Campus Party 2011 - Dia 1

Tem 3 dias que o evento encerrou mas mesmo assim não acaba assunto para falar da Campus Party 2011, a quarta campus party no Brasil. Prometo que essa será o último texto sobre o evento.

Não sei o título ficou adequado, acontece que desde do inicio do evento, percebi não só uma grande falta de organização como também de pessoas para auxiliar em diversos problemas no Campus, como Fila, informações, segurança, revista e por ai vai…

Hoje eu então eu vou mostrar a história da Emily, @MilyEmily , que escreve no Blog “To Falaando” , A Emily foi uma das voluntárias do Campus Party esse ano e ela relatou no seu blog a falta de consideração e educação da organização do evento com os Voluntários. Para começar algo que eu não sabia, todas as pessoas que estavam lá do Campus, eram voluntários, tirando a organização e segurança, os adolescentes em geral eram voluntários, estavam ali para preencher o currículo e para ter o prazer de ajudar a organizar o MAIOR evento de tecnologia da américa latina.

220 voluntários para 73

Emily (DA plaquinha)
Emily (DA plaquinha)

Sim pequeno gafanhoto, o Campus Party 2011 teve desistência de mais de 50% dos Voluntários, isso explica a falta de informações no evento, vamos então aos relatos da Emily:

“Eu não sabia como era a vida de um voluntário da Campus Party”

“…em um dia lindo acordando 5:30 da matina para ir no vulgo “treinamento” domingo (16) e chegando 8:30 para pegar o onibus disponibilizado para a CP, esperamos e pegamos fila para a credencial dos voluntários, pediram para que fossemos a uma sala azul (que na verdade era verde) e começou a reunião. Simplesmente lindo, todos reunidos, nos agradecendo e parabenizando por ser escolhidos.

A tensão começou quando veio as palavras “Vamos montar as barracas”, até ai tudo bem, eles da organização vão ter um planejamento e dividirão provavelmente em grupos para montar e ter tempo de descanso… bem, não foi assim, montamos barracas quase que sem parar sem nenhum esquema.

Hora do rango: chamaram um povo para ir comer e o resto ia as 14:00, ok, comemos (fiz parte do segundo grupo), voltei e pensei “Agora começa o treinamento”, mas como felicidade de voluntário dura pouco continuamos a montar barracas. Jantamos e CONTINUAMOS A MONTAR AS BARRACAS, até que meu corpo não aguentou mais, vi que iam começar a fazer os kits, trabalho realizado sentado, me juntei a eles até as 2:30 da matina.

As frases mais estranhas e no mínimo infeliz vinda do nosso coordenador foi: “Vocês só vão dormir quando terminarem de montar as barracas” “Tem alguém nas barracas dormindo? pode falar para mim!”- em tom bravo.”

A área das Barracas estava totalmente desorganizada, claramente agora entendo por quê a falta de organização, nenhum mapa ou informação, demorei muito para achar minha barraca, podia ter um mapa colado no chão, qualquer coisa!

Tudo bem, até entendo o dia tava complicado, a fila não andava, as credenciais não estavam por ordem de nome e sim de inscrição (Burrice), calor e ao mesmo tempo chovendo. Bom… voltei e fui para fila de novo, até o meio da tarde, porém me levaram para a parte que revistavam as malas.

Eu nem vou comentar isso, quando eu fazia os eventos do grêmio do meu colégio, era melhor…

Chegou uma hora que começou a ficar complicado, o lado externo onde eu ficava não tinha muita ventilação, mesmo com a porta aberta, e comecei a passar mal por conta do calor, mas fiquei lá pq me comprometi com eles. Chegando a hora do almoço 13:00 fui falar com a coordenadora de área, ela falou o seguinte: “Só iriam comer depois do seu horário de trabalho, as 15:00”

Retruquei: “Mas eu tenho direito de sair para comer”… silencio total, fiquei no vácuo ,e claro, brava. Pensem comigo: “Como podemos trabalhar 6 horas seguidas sem descanso? Nem em call-center isso é permitido, é obrigatório paradas no serviço”.

Meu namorado teve que se entrometer, ele era da área de Conteúdo terminou seu serviço e veio nos ajudar, então, ele falou para a coordenadora que estávamos cansados e tínhamos direito a ir comer, e FOMOS, mesmo ela fazendo cara feia, isso as 14:30 do dia 19. Ao meu ver foi muita falta de organização no evento, roubaram desde campuseiros até voluntários.

Sei que me comprometi a ajudar, mas vi que não tinha gente na turma da tarde da área de Inclusão Digital e que deste modo ia trabalhar os dois turnos, para mim não dava mais, na quinta feira (20) vim para casa, com muita dor no corpo devido aos dias puxados.

Agora todos podem entender o do porque da debandada de voluntários, tínhamos 220, ficou 75 e com a nossa saída, eu e meu namorado, 73, creio que até mais tenha ido embora pelo que fui informada.
Para terem uma ideia nosso coordenador geral dos voluntários foi embora também por levar tantas chamadas e xingos dos seus superiores, tudo bem que ele não soube se organizar, mas ninguém tem direito de ofender o próximo e muito menos levantar o tom de voz. (bem que ele fez isso com a gente, digo, levantou a voz)

Espero que ano que vem seja outra organização, aqui estão apenas algumas partes do texto, para ler todo texto entre no artigo da Emily no Blog dela: Voluntariado Campus Party 2011 – motivo da debandada , ano que vem estarei novamente presente ao campus, também como campuseiro. mas estarei mais preparado.

23 Comentários

  1. Gabriel, eu já tinha ouvido falar do problema com os voluntários. Tenho uma amiga que se inscreveu para ser voluntária e teve uma série de problemas com a organização.

    A denúncia é importante para que este evento não contenha mais falhas assim (sem falar nos apagões).

    Um grande abraço

  2. Já tinha recebido um email sobre este post e fiquei realmente entristecido. Enalteceram tanto a comissão organizadora para que? Para isto? Eu que estava presente na CPBr3 digo que deu 10×0 na CPBr4. Esperamos que as lições que ocorreram tenham sido aprendidas.

  3. Eu já estava desmotivado para 2012… E cada vez mais tenho menos vontade de ir ano que vem…

    Já até parei de me programar para isso. Não acredito que ano que vem seja tão ruim como foi esse ano, mas, os ocorridos esse ano realmente me desmotivaram…

  4. Esse texto só confirma o que já sabiamos, a Campus Party se tornou algo muito grande, mas os organizadores ainda pensam nela como um eventinho qualquer, e não é p*rra, tem que respeitar quem cruzou parte do Brasil pra estar lá, respeitar quem se voluntarioi para ajudar, AJUDAR (ouvi organização da Cpbr) e não ser escravo de vocês. Felizmente eu não fui nessa edição e existe grande chances de não ir mais.
    E isso é culpa da Organização FALHA em vários setores, infelizmente, nos principais.

  5. Ok, mas a imagem fica… E eles vão precisar fazer um evento melhor ano que vem para limpar a imagem. O público não quer saber quem foi, mas sim que a Campus Party mandou mal…
    Eles que se entendam no quesito organização. Não vou me arriscar a gastar meu dinheiro ano que vem sem a certeza de um evento melhor…

    Prefiro esperar 2012 e se o mundo não acabar e a CP 2012 for boa, vou em 2013…

  6. Minha cabeça explodiu, o que houve cara? esse ano decaiu muito os comentários positivos, acho que ficaram focados so nas celebridades, rídiculo isso, e eu que tava quase indo, acabei tendo de desistir por causa de um novo trampo que apareceu, sorte minha que isso aconteceu, será que vai ter Cparty ano que vem? Acho bem dificíl, eu sei que eu não vou e se for vou ficar no boteco na frente do evento trollando as celebridades.

    Abraço

  7. Nunca fui a uma Campus Party e isso só me afasta dela cada vez mais. Melhor mesmo é ficar em casa e pegar os vídeos das palestras.

    Assim acho que ganho mais.

    • @marco

      Conheci Pessoalmente o Guilerme Briggs e ainda peguei autógrafo do cara, sem contar as muitas pessoas que eu pude conhecer pessoalmente.

      Apesar dos problemas da organização, nada troca a emoção de ir ao Campus, Acampar e conviver com pessoas que você só fala pela a internet.

  8. Minha vontade era de ir a Campus Party para fazer amizades mesmo. Mas quero num evento que os organizadores tratem as pessoas como pessoas e não como bois e vacas.

    Talvez, não tenha sido tão ruim como muitos noticiaram, não sei, mas é isso que parece para quem ficou de fora.

  9. Bom, eu acho que não sou suspeito em falar sobre a organização da campus party principalmente nos três ultimos anos… pois bem, fui coordenador dos voluntarios em 2008,2009 e 2010 (turno da madrugada) com elogios ao meu trabalho e etc, tanto de mim qto dos meu outros colegas que la trabalharam comigo.. mais esse ano por um motivo ou de outro nem sequer fui mencionado para realizar novamente o tal trabalho elogiado, quer dizer sim, fui mencionado a trabalhar mais como voluntário sem qualquer tipo de remuneração, eu estava e até hoje estou desempregado era impossivel eu ir lá só para voluntariar e ir embora (pois eu iria a trabalho e não para “curtir” o evento). Citei as outras edições mais gostaria de destacar as edições de 2008 e 2009.

    para quem não sabe a edição de 2008 foi na bienal do ibirapuera, para vcs terem uma ideia era mais complicado organizar o evento lá, eram 3 andares sendo que o ultimo era a area das barracas, pois bem, eram 4 equipe dividas em 4 turnos e o trabalho era remunerado com um auxilio de 300,00+auxilio transporte+alimentação e trabalhavam apenas 4 horas por dia!! vale detalhar que na primeira edição as barracas foram montadas por uma empresa especializada, sem sequer os dinamizadores que eram chamados e agora são chamados de voluntarios não precisariam montar as barracas.

    Em 2009 a campus party migrou para imigrantes (isso não é um trocadilho), também com a remuneração, ou seja, quase todas as pessoas que trabalhariam em 2008 iriam trabalhar em 2009, mas com um detalhe, nos iriamos montar as tais barracas sem qualquer experiencia no assunto mas como nos mesmos falavamos um ao outro. – Estamos “ganhando”, vamos montar as barracas e os kits (welcome packs, ou as mochilas) para acabarmos logo, claro que não vou ser hipocrita de falar que ninguem reclamou, claro que reclamaram e muito mas no final quando nos viamos a “grana” ficavamos tranquilos e realizamos o trabalho mais perfeito possivel, teve algumas brigas, reclamações mais isso é de praxe, nunca e nd é 100% né? só lembrando que as remunerações e beneficios eram os mesmo de 2008.

    Já em 2010, ai teve a grande reviravolta, não estou sendo dramatico mas a palavra VOLUNTARIO não foi bem quista para quem trabalhou nas edições passadas, era o seguinte: as pessoas que iriam trabalhar, quer dizer, que quisessem trabalhar, iriam trabalhar 8 horas por dia dividas em 3 equipes, manha tarde e madrugada (isso foi feito em 2009, não mencionado à cima), com direito a alimentação, e no final do evento remuneração apenas do transporte e olha que a maioria dos voluntarios que la trabalharam não foram nem sequer para suas residencias, ou seja, ficaram/trabalaharam no evento não foram para suas casas e ainda ganharam uma certa quantia ao final do mesmo. Tiveram que montar barracas, realizar a “montagem das mochilas” com seus respectivos itens a serem colocados na mesma. Varias reclamações que estavam cansados, mas nós como coordenadores sempre pediamos calma que sabiamos que era cansativo e stressante e entre outras coisas, vale ressaltar que nas 3 ultimas edições fui coordenador das voluntarios na madrugada. E o evento em si foi aquele sucesso de midia e publico como todos os das outras edições. E mais um lembrança que não posso deixar de citar, as pessoas que trabalharam em 2008 e 2009 não quiseram participar desta edição de 2010 pois ele não queriam “trabalhar de graça”(assim foi as palavras citadas por eles.

    Tivemos que selecionar, ligar, conversar e convencer outras pessoas a trabalhar de voluntario no evento, foi uma bagunça só, eu ouvia muitas coisas dos voluntarios tais como: ” ah,… se eu sou voluntario para quê vou me matar trabalhando, sendo que posso ficar no evento sem pagar nada?”, entre outras coisas, eu e os outros coordenadores sempre ressaltávamos que não era bem assim, se vc esta trabalhando de voluntario aceitou as condições da gente vc não poderia dizer isso, c esta faltando algo para vc diga que a gente resolve, sem contar que num turno eram cerca de 30 a 35 voluntarios, mas nós só viamos de 8 a 10 trabalhando, estavamos certos que não podiamos exigir tanto delel mais sempre pediamos comprometimento com o trabalho.

    Agora em 2011…Acampanhei o evento só lendo as reclamações, as insatisfações entre outras coisas através da comunidade da canpus party no orkut, e por amigos que la estavam mais uma vez tentando deixar o evento no “jeito”, mas não foi isso que aconteceu. Resumindo, escrevi isso tudo só para deixar bem claro: ENQUANTO FICAREM COM ESSA DE “VOLUNTARIO” E NEM SEQUER REMUNERAR AO MENOS COM O TRANSPORTE AS PESSOAS QUE LÁ TRABALHARÃO VÃO FICAR ESSA PALHAÇADA E UMA CRITICA ATRAS DA OUTRA.

    Para qm esta de fora acha q o evento esta otimo agora qm está vivendo aquilo sabe que não é bem assim, ai vem os “caras” da organização e fica dando entrevistas/explicações para imprensa, ISSO É UMA VERGONHA…

    bom é isso espero esclarecer o realmente se passou nestas 3 ultimas edições….

  10. Muitos esquecem, ou não sabem, que quem organizou as demais edições do evento não foi essa atual. O antigo CP tinha problemas? sim, muitos, mas pelo menos mantinha o nível de organização e tentava melhorar diversos aspectos a cada edição. A saída do antigo organizador até hj eh um real misterio, mas o fato eh q a CP tornou-se grande sim, porém, a sua populariedade… 400 pessoas a mais ou não, não faz diferença em um evento deste porte. Após a terceira edição da CP muitos problemas politicos começaram a surgir, basta ver sobre o fato de quererem alterar o local para o Rio. Ele saiu e pessoas sem as competencias necessarias assumiram… deu no q deu… além da falta de organização, logistica, o proprio nivel de palestra e cursos decaiu e muito se comparado ao ano passado, sem mencionar outras questões… mas paciencia.

    • Gera e Ed

      é um prazer ler o comentário de vocês, foi a primeira Campus Party que participei. Mesmo “voluntários” deveriam ganhar uns 500 Reais na semana do evento e não trabalhar mais de 6 horas, acredito também que se tivesse continuado a organização dos anos passados erros seriam corrigidos e não cometidos.

  11. Boa noite,

    Esse ano foi realmente complicado, nenhum planejamento fixado e nem treinamento para seguirmos.

    Gostei tanto do evento de 2010 que quis participar como voluntária em 2011, mas não imaginava que era assim.

    Tudo bem, trabalhar 6 horas eu não ligo, to no evento justamente pra isso, ser ÚTIL, mas infelizmente não souberam organizar os voluntários para trabalhar adequadamente.

    Se tudo fosse mais bem preparado nada disso tinha acontecido.

    Fatos como:
    -Montar barracas até virar a noite
    -Correr atrás de cartão de alimentação pela campus
    -Ter dores de tanto ficar em pé, andando de um lado ou outro
    -Faltar gente para determinadas áreas (ex: Inclusão Digital), desta forma fazendo com que muitos ficassem 2 Turnos
    – Filas gigantescas, etc..etc..

    Como disse acima: nada disso aconteceria se tivessem REALMENTE planejado direito, erros básicos de organização em um evento desse porte não pode ocorrer.

    Ano que vem vou de campuseira, muito melhor 🙂

  12. ED, fui voluntário este ano. Sou o namorado da Emily e vou falar o que acho aqui também.

    Colegas nossos haviam comentado conosco que houve remuneração nas CPs passadas e tal. Desde antes de ser selecionado como voluntário já haviam me contado como seria o trabalho. Que deveríamos montar várias barracas e os welcome packs, até terminar mesmo e não tinha hora para acabar e que depois, cada um na área que havia escolhido previamente, no horário escolhido. Eu estava preparado para isto. Acredito que o maior problema tenha sido não haver alguém realmente nos coordenando. Para você ter idéia, muitos de nós do grupo de montagem de barracas ficamos sem comer pois estávamos trabalhando do outro lado da área do camping e nenhum coordenador falou para pararmos e irmos comer. Pelo contrário, falavam para não pararmos de montar barracas. Num dado momento, próximo da hora de encerrar o catering, perto das 22 horas do domingo, resolvemos que iríamos procurar saber como poderíamos comer, e um coordenador chegou com várias caixas de barracas. Sinceramente, tomei aquilo como uma afronta, talvez por já estar cansado. Estava desde as 9 horas da manhã trabalhando. Eu e mais algumas pessoas que estavam nesta empreitada de montar barracas viramos as costas para ele e nos dirigimos à area de catering. Nisso, falei com nosso coordenador geral, o Geandré. Perguntei aonde poderíamos arrumar o cartão para comer e ele não sabia. Pedi para que ele tentasse ver isto para nós mas ele simplesmente sumiu e não mais o vi no dia, a não ser mais tarde, quando, em tom de voz alto, perguntou para mim se sabia de alguém que estava dormindo nas barracas e não estava ajudando os outros voluntários. Respondi na mesma altura, já bastante estressado com ele que isto não era problema meu, mas dele. Conseguimos comer pois alguém que nem lembro quem era nos deu o cartão da comida.

    Nos outros dias eu trabalhei na área de conteúdos, uma área que, apesar de tranquila teve algumas coisas chatas. Uma das minhas tarefas era colher assinatura dos palestrantes e em algumas das palestras não haviam folhas para que eles assinassem. Fui orientado pela minha coordenadora a aguardar as listas e pegar a assinatura depois. Fiz isto e vários palestrantes se exaltaram comigo por estar pedindo para assinarem depois de já terem palestrado. Tomei a iniciativa de entregar as listas antes dos palestrantes subirem, mesmo sendo listas já assinadas. Pedia para que assinassem embaixo de outras assinaturas.
    Na mesma área que eu estava ficava o palco principal. Quando o Maddog chegou, as 12:40(ele ia palestrar as 13h) não havia ninguém da área para recepcioná-lo então eu mesmo o recepcionei. Uma das pessoas que estava com ele perguntou se eu que era quem estava coordenando aquela área. Expliquei que eu estava lá para auxiliar no andamento de tudo mas não tomava decisão nenhuma. Me questionaram pois queriam pelo menos uns 15 minutos para poderem organizar as coisas no palco. Eu não podia fazer nada. Fui atrás do meu coordenador e o encontrei 12:50, quando expliquei tudo pra ele.

    Acredito que o problema foi realmente a falta de organização e coordenação do pessoal. Era até engraçado pois muitas vezes víamos alguém com vários cartões para acesso ao catering comendo conosco enquanto ainda muitas pessoas não haviam comido. Por vários dias eu reclamei(e acredito que várias pessoas devem ter feito a mesma coisa) que os cartões deveriam ficar num local fixo e só na terça ou quarta-feira que resolveram fazer isto. Na fila, pedi para o coordenador que verificasse como poderíamos contatar uma ambulância caso alguém passasse mal. Ele me respondeu, com tom irritado: “O meu rádio não tem contato com a ambulância. “. Eu disse: “Eu entendi. Eu quero saber como eu entro em contato com eles. Com quem eu falo.” e ele, mais uma vez: “O meu rádio não tem contato com o pessoal da equipe médica. É só da organização.”.

    Estes foram somente alguns relatos de algumas das várias situações que nós, os voluntários, enfrentamos lá. Eu contei estas e várias outras para a Violetta em um e-mail.

    Só pra concluir, quero deixar claro que, apesar de tudo, não condeno o evento. Acredito que este tipo de declaração deixe um feedback e gera melhorias para edições futuras do evento. Não passei só por mal bocados lá. Partipei de algumas palestras, tive oportunidade de conhecer o Maddog e até conversei um pouco com ele. Acredito que se não fosse voluntário eu não teria esta oportunidade. As coisas que escrevi aqui são algumas das que relatei para a Violetta(a coordenadora geral dos voluntários) num e-mail que mandei logo depois que saí.

  13. É complicado, pois, as pessoas que realmente querem fazer um trabalho voluntário devem passar por isso. Questão da coordenação, creio eu que os que estavam lá não tinham quaisquer experiência no assunto, mas como eu comentei com um “brother” meu que lá estava trabalhando, eu disse assim: ” a panelinha foi formada, esqueceram das pessoas que diziam gostar do trabalho e colocaram qualquer um e vai ser uma bagunça só”. Não, não fui vidente, mas era obvio acontecer aquilo e isso que estou lendo e li nos comentários durante o evento.
    Voltou a dizer, enqto não pelo ao menos PAGAR o transporte dos voluntários ou até mesmo remunerar para que seja um TRABALHO, vai ser do jeito que foi e em 2012 iremos comentar neste mesmo blog as “coisas” que aconteceram com os voluntários que lá iram participar!!!
    É isso…..

  14. Então,

    Fui campuseiro da CPBR 2011 e vim só parabenizar os voluntários deste ano. Trabalho com eventos e lhes digo que, infelizmente, esses contratempos sempre acontecem nessas produções.
    De qualquer forma, o esforço do pessoal foi notável.

    Valeu!!!

  15. Então, pessoal ja que todos falaram posso dizer algumas palavras tbm bom fui voluntario ate o ultimo dia da Cp2011

    Realmente houveram muitos problemas por falta do coordenador Geandre mas a complacência e a esperteza de muitos sacrificaram outros que realmente estavam la para trabalhar e participar do evento primeiro pois queriam participar e nao ajudar nao tinha 150 reais para ir ao evento e se fizeram de voluntarios mas os que ficaram e realmente fizeram o serviço e os que substituiram o coordenador que foram Marlon e Samuel que eu via nao dormirão acho que nenhum dia pois eu saia e voltava dormia e acordava e os caras estavam la em pé acho que eles e os que ficaram ate o fim talves busque algum melhor mas todos deram exemplo como Almir, Douglas, Elaine , karin, Anderson Meneses, Alvaro , Adilson, Aline Bergamo todos esse e comigo fizemos a campus e os que reclamaram talvez fossem aqueles que realmente só queriam participar e não contribuir ao evento sei que foi puxado teve dias que trabalhamos mais de 12 horas mas acho que valeu sim pelas coisa que aconteceram amizade e experiência profissional, bom espero que em 2012 seja melhor é claro

  16. Eu achando que ser palestrante era zuado…

    Sim!

    No primeiro dia, fui montar minhas coisas (eu levei um fliperama para área de Games), e fui atendendo repórteres, e tal… Mas, e minha barraca? Credenciamento do PC? (aliás, nunca credenciei o PC, entrei e saí sem fazer isso…) Comida? Eu cheguei na CP as 8 da manhã, só consegui comer as 20 horas, porque ninguém sabia me informar onde era a comida (eu não entrei pela fila dos campuseiros, então não vi o catering), e ainda assim, eu comi lá na praça de alimentação, só comi no catering no dia seguinte, quando meu coordenador apareceu para me dar cartão.

    Mas nada me emputeceu mais do que toda hora mudar o esquema do almoço… E ter que buscar cartão de almoço de 1 em 1 com o coordenador, mais de uma vez tive que esperar 1 hora para conseguir a desgraça do cartão do catering… (pelo menos palestrante podia pular a fila…)

    Os meus coordenadores de conteúdo e assistentes (com uma excessão, de uma pessoa que nem sei porque colocaram coordenando uma área sendo que ela nem curte aquilo nem como hobby ou profissão) ajudaram muito, e todos se esforçaram ao máximo, mas a coordenação “de cima” deixou muito a desejar…

    Eu por exemplo tive que dar palestra na área de SL, em uma mesa para 8 pessoas… Foram 40 pessoas na palestra, e ela foi do lado de outra palestra, que tinha microfone e telão… e eu tinha só minha voz, a palestra era de programação, e eu DESCREVENDO o programa (tipo: Coloca um ponto e vírgula, isso, agora coloca um espaço…), fiquei rouco, ninguém aprendeu muita coisa, e o coordenador ficou triste que não conseguiu fazer algo melhor, e as pessoas ficaram tristes, pois gostaram do tema (se não gostassem não tinha ficado 40 pessoas em um espaço para 8…) mas não tinha condições de ensinar.

  17. Fui voluntária na CP 2011 e posso afirmar que não é pra qualquer um não, é correria demais cheguei no domingo cedo e começamos montar barracas até que minhas costas “travaram” e fui levada pra enfermaria foiii muito tenso e cansativo, porém muito prazeroso olhar e dizer eu fiz parte do maior evento tecnológico do mundo!!! simplesmente maravilhoso!!!

DEIXE UMA RESPOSTA